10/07/17 06:59

33º Conecef – Resistência e luta em defesa da Caixa!

A defesa das empresas públicas e da democracia, melhorias nas condições de trabalho, saúde do trabalhador, entre outros temas foram debatidos durante o 33º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef) e o 28º Congresso Nacional dos Funcionários do Banco do Brasil (CNFBB), realizados nos dias 1 e 2 de julho, em São Paulo.

Para os dirigentes sindicais e do movimento associativo, é preciso unidade e resistência para fortalecer a luta contra a nova ofensiva neoliberal, que mira na privatização das empresas públicas e na retirada de direitos.

Durante a abertura do evento, “resistência” foi palavra que marcou as discursões. “Já passamos momentos difíceis e superamos graças a nossa capacidade de mobilização. Não podemos deixar que o golpe contra a classe trabalhadora, contra o povo brasileiro e os bancos públicos, seja consolidado”, destacou o presidente da Fenae, Jair Pedro Ferreira.

O presidente da Fenae ainda ressaltou que é preciso defender uma Caixa cada vez mais pública e que respeite os direitos dos seus trabalhadores. Tanto o 33º Conecef quanto o 28º CNFBB tiveram como pauta principal a defesa dos bancos públicos. "Vamos sair desses congressos com uma bela campanha em defesa da democracia desse país”, afirmou Jair Pedro Ferreira.

Ainda durante a abertura do 33º Conecef e do 28º CNFBB, o coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Dionísio Reis, destacou a capacidade de luta dos trabalhadores do banco. “Os empregados da Caixa construíram uma grande mobilização nos anos 1980 para serem reconhecidos como bancários e ter direito à sindicalização, o que nos assegurou a jornada de seis horas”.  Disse ainda que a mobilização da categoria foi fundamental nos anos 1990 quando os trabalhadores tiveram direitos retirados pelo governo FHC e a empresa esteve ameaçada de privatização.

As discussões promovidas durante os dois dias de evento foram importantes não apenas para a categoria bancária, mas também para toda a classe trabalhadora e para a sociedade de modo geral, já que é preciso impedir as reformas e o desmonte dos bancos públicos. “A solução para sairmos dessa crise está nos bancos públicos. Temos que dialogar com a população e com o empresariado para mostrar a importância dos bancos públicos para o desenvolvimento econômico e social do nosso país”, ressaltou Dionísio Reis.

Compartilhe