14/07/17 06:20

Fenae destaca importância de Ouvidoria da Funcef e cobra apuração de denúncias

Em visita de cortesia à Ouvidoria da Funcef, nesta quarta-feira (12), a diretora de Saúde e Previdência da Fenae, Fabiana Matheus, reforçou a importância do canal para o participante, uma conquista das entidades representativas dos empregados da Caixa, implantada em 18 de agosto de 2011. Na oportunidade, a diretora também cobrou atuação mais efetiva na apuração de denúncias de assédio moral contra gestores da Fundação. Além de atender os participantes, o órgão também recebe demandas dos funcionários da Funcef.

 Fabiana Matheus foi recebida por Lorene Manica Ribeiro, aposentada da Caixa, que responde pela Ouvidoria no período de afastamento para tratamento de saúde da ouvidora Rosilândia Gonçalves Oliveira. “Nossa preocupação é assegurar que esse instrumento conquistado após muita luta dos trabalhadores possa contribuir efetivamente para qualificar o atendimento e ampliar a satisfação dos participantes”, acrescenta a diretora da Fenae, que também é ex-conselheira deliberativa eleita da Funcef.

 A proposta de criação do órgão surgiu em 2007, durante o Simpósio Nacional dos Aposentados e depois foi pautada no Conselho Deliberativo pelo ex-conselheiro Carlos Levino Vilanova. A iniciativa contou, à época, com respaldo do Fórum de Dirigentes de Entidades com Representantes Eleitos na Funcef, onde se definiu a proposta final encaminhada ao Conselho Deliberativo.

 O voto para criação da ouvidoria foi subscrito por três conselheiros deliberativos eleitos, Fabiana Matheus, José Miguel Correia e Olívio Gomes Vieira, tendo sido aprovado em 21 de outubro de 2010, após negociação com a patrocinadora. 

A Ouvidoria foi criada com o objetivo de garantir aos participantes canal para encaminhar sugestões, dúvidas ou reclamar sobre as operações e serviços prestados pela fundação. Ficou estabelecido pelo voto que a Ouvidoria seria um órgão vinculado ao Conselho Deliberativo e  que “não terá funções executivas ou de porta-voz dos participantes, papéis já exercidos por dirigentes eleitos, dirigentes indicados pela patrocinadora, membros de comitês e entidades representativas. Porém, subsidiará todos esses agentes na correção de procedimentos e apresentação de sugestões a partir de demandas de participantes, aposentados e pensionistas”.

Pelo regulamento aprovado, o ouvidor não poderia ser participante, empregado da Caixa ou ter qualquer outro vínculo com a patrocinadora ou a Funcef, como modo de assegurar uma atuação isenta. A primeira pessoa a ocupar o cargo foi escolhida após processo seletivo com 111 candidatos inscritos.

Inicialmente, a Ouvidoria estava vinculada ao Conselho Deliberativo, mas em maio de 2013, foi aprovada a vinculação administrativa da área à Presidência da Funcef. A nomeação do Ouvidor permaneceu como uma prerrogativa do CD, instância à qual apresenta seus relatórios.

 

Fonte: Fenae

Compartilhe